quinta-feira, 12 de junho de 2008

Conflitos Emocionais (Tatiana Sessa)


"O ser humano vivencia a si mesmo, seus pensamentos como algo separado do resto do universo - numa espécie de ilusão de ótica de sua consciência. E essa ilusão é uma espécie de prisão que nos restringe aos nossos desejos pessoais, conceitos e ao afeto por pessoas mais próximas. Nossa principal tarefa é a de nos livrarmos dessa prisão, ampliando o nosso círculo de compaixão, para que ele abranja todos os seres vivos e toda a natureza em sua beleza. Ninguém conseguirá alcançar completamente esse objetivo, mas lutar pela sua realização já é por si só parte de nossa liberação e o alicerce de nossa segurança interior" - (Albert Einstein)

Conflitos emocionais fazem parte da natureza humana. Isso porque na condição de seres humanos temos que fazer escolhas e cada escolha implica em um ganho e uma perda. No entanto, queremos sempre obter somente ganhos. Além disso, nem sempre podemos fazer o que queremos na hora exata em que desejamos. Isso em nome da boa convivência com o meio externo. As crises emocionais surgem a partir dos conflitos psicológicos, tais como complexos de inferioridade e de superioridade, narcisismo, agressividade, culpa, autopiedade, timidez, ciúme, inveja, etc. Todos nós temos o desejo de nos adaptar às solicitações internas e externas e, quando isso não se torna possível, sentimos frustração, ansiedade, estresse ou um sentimento de perda. Quando não conseguimos elaborar estes acontecimentos, acumulamos estes conflitos e isso pode acarretar em uma crise emocional, atrapalhando a vida cotidiana. Ao contrário disso, se elaboramos bem nossas questões emocionais, procurando ver com clareza nosso momento de vida e superar nossos problemas, então conseguimos a auto-realização. Temos que ter a seguinte convicção: quando nossa mente sofre, nosso corpo também sofre. Para os que duvidam desta integração do emocional com o físico, ofereço sempre um exemplo: diante de uma tristeza profunda nosso corpo imediatamente produz as lágrimas e não conseguimos evitá-las, ou seja, é o nosso corpo reagindo a uma dor psíquica. E agora lhe pergunto: o que será que acontece com nossos afetos "presos"? Bem, deixo aqui a seguinte mensagem: se você está sofrendo diante de algum conflito emocional não deixe de procurar um psicólogo, que é o profissional capacitado a lhe fornecer este tipo de ajuda.

4 comentários:

Anônimo disse...

Merveilleux ceci votre blog. Félicitations !
Pierre Gallantt

Erasmus disse...

A nossa atividade diária, seja no lar, no trabalho, na escola, ou no ambiente social, é profundamente influenciada por essas perturbações emocionais. De uma maneira muito real, nós somos um produto das nossas emoções.

Viajante disse...

Hoje em dia com tantos caos nos mais diversos setores da sociedade e tantas mudanças, são normais os estados emocionais se abalarem, porém não é normal deixá-los a consumir-nos. É preciso focar nosso atenção para o equilibrio da saúde emocional.

Elis disse...

Dentro do ambiente escolar vivencio essas emoções diáriamente.
Trabalhar os adolescentes para serem plenos tem sido minha missão.
Esse texto vem de encontro com nossa realidade.